Background

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Casulo



Meu casulo está cada vez mais quentinho, mais aconchegante e eu sei que o ar tem se esgotado. Tenho plena consciência do quanto a solidão tem se tornado complicada, densa e ao mesmo tempo se dissipa em uma fumaça multicolorida de origem desconhecida.

A vida aqui nesse casulo, meu caro, é cada dia mais confortável. Às vezes eu sinto que tudo pode se romper, que alguém pode ousar mexer no que eu preservo e escondo,
temo que descubram o acesso ao meu aconchego, temo pela perda de paz e pelo peito aberto, temo. O que me amedronta ainda não tem definição, mas ultimamente eu tenho pensado no que me trouxe até aqui além das feridas - cada vez que eu me feria procurava uma maneira de amenizar a dor, nem sempre curar a ferida mas sempre amenizar a dor - a solidão sempre me acolheu tão bem que meus pés já sabiam o caminho do casulo depois da terceira ferida.
Palavras, sempre elas. Quem me conduz a outros mundos, fala por mim, diz o indizível, mexe no impossível, também me conduz pra mais profunda solidão e a mais bem disfarçada por elas mesmas. Quem poderia imaginar que eu estou aqui também? Quem diria que tem uma vizinha como eu nessa comunidade tão imensa? Eu sei que somos milhões, milhões de rostos presos, de cabeça pra baixo e coração bem mais pra baixo ainda, cheio de defesas, cheio de proteção: não quero acreditar de novo, não quero ouvir de novo, não quero me apegar de novo, não consigo apanhar mais uma vez, não suportaria mais um naufrágio.

Ei coração, fica quieto e só arrisque nas teorias, contente-se com suposições e que fique apenas na sua imaginação esses devaneios. Quando você sentir um outro coração, assim, bem pertinho, bem quentinho, com cheiro de café e abandono, com poeira e aquela música tocando na vitrola, aquela velha canção que já embalou amantes apaixonados mas hoje canta sozinha pra um coração apertado, compacto, sem exigências, que saiba caber direitinho no meu cansaço e que me revigore sem querer, sem saber, sem sentir - é amor.




10 comentários:

Anônimo disse...

Essas confissões todas são para seu lindo namorado? Que Deus abençoe o amor.

Anônimo disse...

Não não... eu não sou o anônimo de sempre. è a primeira vez que digito um comentário aqui.
Não precisa falar para o Senhor te livrar da inveja. Não te invejo. Nem a seu namoradinho. Não me interessa.
Admiro sua escrita.
Vá em frente.
Votei em vc.

Raullzito disse...

...e que o amor é incerto, decerto.
Sempre, sempre certo.

BelaTeixeira disse...

A "vizinha" aqui amou mais esse! =)

"Quem poderia imaginar que eu estou aqui também? Quem diria que tem uma vizinha como eu nessa comunidade tão imensa?"

Parece estranho, mas é exatamente assim!

Jessica disse...

Eii, seguindo!!!
Seu blog é mto lindo!!!
Visita o meu tbm http://www.vitalize-se.blogspot.com/
bjoss ^^

CARLA TORRES disse...

FUI PESQUISAR ALGUNS BLOGS DE FEIRA DE SANTANA PARA TRABALHAR COM MEUS ALUNOS E ENCONTREI O SEU QUE TROUXE PRA MIM MOMENTOS DE PURO DELEITE.EU VIAJO NAS SUAS SENSAÇÕES...MINHA ORAÇÃO É QUE DEUS CONTINUE TE ABENÇOANDO PARA QUE VOCE CONTINUE EXERCITANDO O SEU DOM TORNANDO TAMBÉM ASSIM MEUS MOMENTOS "BLOGUEIROS" MAIS FELIZES.ABRAÇOS, CARLA TORRES

Suzana Z. disse...

Adoro casulos, principalmente bem aconchegantes e com cheiro de café...
Bjoks

Lia Honorato disse...

Lindoooo!Como disse,vc poderia escrever um livro.Parabéns!

Bill Falcão disse...

E, além disso, tudo pra preservar a paz!
Bjoo!!

lia honorato disse...

Uau!Que delícia esse texto